segunda-feira, 14 de março de 2011

(des)Mundo

Inspirado no romance de Ana Miranda, dirigido por Alain Fresnot, Desmundo é um filme ambientado por volta de 1570, época em que a monarquia portuguesa e a Igreja católica preocupavam-se com a formação étnica da colônia. Assim, enviava órfãs ao Brasil para desposarem com os colonos, na tentativa de evitar que eles se miscigenassem com as índias

Oribela, uma jovem dentre as demais órfãs criadas e educadas por freiras, sente-se desamparada após chegar ao Brasil sob intermédios da igreja católica e de Portugal. Tida como “resto”, é obrigada a casar-se com Francisco e a viver conforme suas ordens. Francisco a leva para seus aposentos, transformando uma noite de “núpcias” em um terror, impondo-lhe a consumação do casório. Oribela consegue contê-lo com algumas artimanhas, mas não por muito tempo. Ele a estupra, o que faz com que ela fuja à procura de alguma embarcação que a leve de volta a Portugal. Porém, é surpreendida por três homens que tentam estuprá-la. Isso não chega a acontecer, pois Francisco chega a tempo, matando os três tripulantes do navio. Ele a leva para casa acorrentando-a em um pequeno cômodo, onde só tinha a companhia de uma índia que cuida dos ferimentos produzidos pelas correntes que prendem seus pés. Mesmo sob ameaça de morte do próprio marido, Oribela está decidida a fugir mais uma vez, o que ocasiona mais uma morte no enredo.

Observando o contexto social do filme, os homens ditos ricos eram apenas donos de engenho que exerciam certa influência por conseguirem manter sobre seu domínio índios e escravos em suas lavouras, da maneira mais cruel e desumana possível. É notável também a grande influência que a Igreja exercia na sociedade, com o intuito de domesticar os índios através da fé; assim como interferir no comportamento feminino, pregando que a Igreja e o homem teriam completo poder sobre a mulher. E tais poderes de ambos eram utilizados de forma exarcebada, muitas vezes de forma proveitosa, seja no tratamento explorador dos índios e negros ou no tratamento escravocrata e violento dado às mulheres.

Outro aspecto interessante é a utilização do português arcaico, que contribuiu para a ambientação do enredo e ajuda a imaginar todo o processo de linguagem da época, pois o filme faz parte da realidade do Brasil Colônia. 


Ficha técnica:
Título original: Desmundo
Gênero: Drama
Duração: 100 min
Ano de lançamento: 2003
Direção: Alain Fresnot
Roteiro: Sabina Anzuategui e Alain Fresnot, baseado em livro de Ana Miranda
Produção: Van Fresnot
Música: John Neschling
Fotografia: Pedro Farkas
Direção de arte: Adrian Cooper e Chico Andrade
Figurino: Marjorie Gueller
Edição: Júnior Carone, Mayalu Oliveira e Alain Fresnot

3 comentários:

Rafael disse...

nossa, esse filme segundo a resenha se encaixa na disciplina de literatura brasileira 1, vou assistir, vai me ajudar.até lá pessoal.

Lane Araújo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rafael disse...

onde está o pessoal de Letras? parece que apenas os cientistas sociais curtem filmes.